Volta Salazar, estás perdoado!

Com este post não espero ganhar amigos, muito pelo contrário, acredito que poderei mesmo perder alguns.

Cansei de ficar calado e ser politicamente correcto enquanto na comunicação social assistimos, diariamente, a palhaçadas que me fazem pensar o que ainda estou aqui a fazer.

Muitos acham que o FMI não devia vir para Portugal porque assim ficamos subjugados ao poder imperialista das grandes economias, blá blá blá… Eu admiro-me é como é que estes senhores do FMI ainda andam por cá, senão vejamos:

O FMI foi chamado a Portugal para nos ajudar a sair do buraco financeiro em que nos encontramos e tem levado a cabo diversas reuniões com governo, partidos com acento na Assembleia, sindicatos, patrões, etc. Vendo isto qual é a resposta do país? Pontes, feriados e greves… tudo o que nos faz falta, parar o país, perder milhões de euros e esquecer aquilo que mais no poderia ajudar a crescer, a produtividade.

Resumindo, andamos todos a brincar com esta merda.

É verdade, perdi a paciência.

Na próxima Segunda-feira celebra-se a “Revolução dos Cravos”… fazendo minhas as palavras de José Mário Branco, em 1979, “mas afinal o que celebramos nós?”

Celebramos os milhares de escolas que fechamos no interior, aumentando a desertificação e limitando o acesso ao ensino pelas crianças que vivem em locais isolados e que, para agora irem à escola, têm que se levantar às 5 da manhã. Celebramos os Hospitais encerrados e as pessoas que morrem nas ambulâncias durante as viagens de 100 quilómetros para chegar ao Hospital de referência da sua área de residência. Celebramos o fecho das maternidades e os milhares de crianças que nascem em ambulâncias ou que vão nascer a Espanha. Celebramos os subsídios disto e daquilo que vêm substituir a responsabilidade do trabalho. Celebramos as grandes obras públicas (TGV, Barragens, Aeroportos), que apenas vêm destruir o nosso património e dar emprego a mais uns quanto imigrantes, em troca do investimento que devia ser feito em quem quer fazer algo pela economia nacional, por muito pouco que seja, já diz o ditado que “grão a grão enche a galinha o papo”.

No fundo, celebramos trinta e tal anos de esvaziamento de valores, de desperdício, tachos e discursos feitos para agradar o povo que, imbuído num pretenso espírito de liberdade segue, cabisbaixo e obediente o pastor que o guia para um prado ser alimento.

A minha geração sempre foi apelidada de “rasca” e, ainda hoje, somos acusados de apenas querer fazer aquilo que nos apetece, somos acusados de querer ficar “debaixo das saias da mamã” com o emprego ideal, de não querermos emigrar em busca de uma vida melhor.

Para quem faz tais acusações eu digo, emigrem vocês… são muito velhos para isso? Então também são velhos para gerir este país. Saiam por favor e deixem-nos essa responsabilidade, talvez aprendam algo.

Estou farto de ver políticos, líderes sindicais e outros que tais, quais dinossauros, a insistir no discurso do proletariado e dos grandes poderes económicos. São tretas meus senhores. Em vez de falarem, trabalhem, façam algo pelo país.

Na crise em que estamos, com as dificuldades que atravessamos ninguém prescinde de um feriado, por menos significado que tenha. E, caso não possam ir passear no feriado, porque a empresa onde trabalham não fecha, então há que convocar uma greve porque os trabalhadores têm direito aos seus feriados. (Caso dos hipermercados). Mas, andamos todos a brincar aos países? A mim parece-me que sim.

Muito honestamente, espero que o desemprego continue a aumentar, parece que estar em casa é a única coisa que deixa este povo feliz.

Continuando no caso dos hipermercados, todos (sindicatos e patrões), estiveram de acordo quando o governo aprovou a abertura destas superfícies aos Domingos e feriados, assim, poderíamos aumentar a empregabilidade e o consumo. Foi uma festa e todos ficaram felizes. Chegado o 1º de Maio, nada melhor que convocar uma greve para que os funcionários destas superfícies “possam usufruir do seu direito a desfrutar do feriado”… Cambada de palhaços.

Acredito que, no meio de tanta corja, ainda existe gente de bem que está disposta a sacrifícios sérios (não aqueles que o governo advoga), em prol do crescimento de Portugal. É por essas pessoas que eu acho que, neste caso dos hipermercados, era correr com toda a gente, assim já tinham todo o tempo para usufruírem dos seus feriados e fins-de-semana.

Depois contratava-se gente nova, certamente haverá gente suficientemente consciente que queira trabalhar para conseguir uma vida melhor.

Em vez de nos obrigarem (à minha geração), a emigrar ou aceitar trabalhar precariamente, pirem-se vocês, para bem longe, e fiquem lá longe, bem caladinhos.

Acabem com os discursos caducos, com as teorias de proletariado vs patrões, com o sustento de quem nada quer fazer, em prol de quem é empreendedor. Acabem com esta palhaçada.

Sendo correcto, tenho que assumir que, não faço grande ideia do que se viveu em Portugal na época da ditadura, os livros de História pouco falam sobre isso (uma míseras duas páginas em contraponto a um capítulo inteiro sobre a revolução francesa). Talvez por isso, a palhaçada que gere este país continua incólume.

Contudo, uma coisa eu posso dizer, as escolas que agora se fecham, por todo o país, foram construídas por Salazar. A economia, que agora está nas lonas, cresceu, como nunca, no período Salazarista. Por isso eu acabo como comecei…

Volta Salazar, estás perdoado!

Para finalizar, dois vídeos de Henrique Medina Carreira. Um em que se dirige a Carvalho da Silva, mas podia aplicar-se a todos os intervenientes na nossa vida publico-política dos últimos 37 anos… O segundo… são 4:20 minutos de verdade…

8 comentários a “Volta Salazar, estás perdoado!”

  1. Quando comecei a ler o post percebi logo que se tratava do auto-retrato de Portugal.
    Concordo plenamente com as tuas palavras, Carlos, concordo ainda mais quando referes que andámos “a brincar aos países” e ainda acrescento a seguinte questão: o que será que a Troika, que o FMI e que os outros países pensam de Portugal?? Portugal esse que está na banca rota e que se dá ao luxo de parar o país por 4 dias e meio!
    Fomos um povo descobridor, um povo que levou a língua portuguesa pelo mundo fora, um povo que foi conhecido e honrado nos 4 cantos do mundo, mas que agora infelizmente não tem mais nada a não ser nome. Sim nome pois nem gente temos por cá,a não ser os dados estatísticos que serão lançados em breve pelo INE através dos CENSOS 2011 venham contrapor isso.

    NOTA – INE instituto nacional dos emigrantes

    Relativamente ao “volta Salazar estás perdoado” gostava de poder dizer o mesmo mas não o digo por uma simples razão admiro demais a minha liberdade de expressão e que só a tenho hoje devido à Revolução dos Cravos, ao dito 25 Abril,que me possibilita hoje de poder escrever aqui e agora a minha opinião sobre o actual estado do país neste teu blogue!!!!

    1. Diana, antes de mais, obrigado pelas tuas palavras.

      A questão que colocas é pertinente e, para mim, a resposta é simples. Pensam que devemos ter fugido todos do Júlio de Matos.
      Quanto ao que falas sobre Salazar, tens toda a razão no que dizes. Óbvio que não queria o regresso da censura e de outras limitações. Peço o regresso de Salazar pelo respeito, pelo rigor e pela prosperidade que tínhamos à época.

  2. Ganhaste mais um amigo. Eu sempre pensei que no 25 de Abril se podia comemorar também a soberania de um país. Ora se temos os de fora (os emigrantes) a governar a casa, vamos comemorar o quê?
    Salazar começou como ministro das finanças com um princípio muito simples: a despesa tinha que ser inferior à receita.
    O título “Volta Salazar, estás perdoado!” está excelente não pelo conteúdo mas pelo facto de atrair leitores.

  3. adoro a tua mentalidade.. tenho 27 anos.. e adorava saber de onde és? talvez Nós possamos juntos unir alguns eleitores a fazer justiça, e ainda recuperar aquilo que parece irrecuperável.. pois porque hoje em dia, se houvesse revolta do povo eles carregavam, numa tecla e o €€ do pais desaparecia.. o que não aconteceu no tempo de Salazar.. MAS A VERDADE É QUE Hoje é 25 de abril, faz 37 anos que Portugal saiu da opressão exercida pelo o regime de Salazar.. Salazar, “apesar de tudo” construiu uma fortuna inimaginável em ouro e não só.. o que fez Portugal se destacar no passado foi as conquistas e descobertas dos nossos antepassados, que por sua vez foram obras notáveis, através da colonização nesses países, Como “angola, Brazil, Guiné, Cabo-verde, etc, conseguiram tirar partido de algo muito valioso que os próprios moradores da terra desconheciam, como o ouro, diamantes, café, carvão etc.. Bom Não foi bem um roubo, “foi mais conquista”, mas tiramos proveito desse conquista da pior forma existente, e os nossos políticos desde o 25 de Abril de 74 até agora, rebentaram com toda a fortuna que o nosso país conseguiu, e só irão descansar quando o país estiver todo vendido.. Muitos desses Senhores que se apoderaram do país pelo o voto de confiança do povo estão milionários.. esta é a minha opniao- enquanto nao entrar alguem com a mesma capacidade que o Salazar para adquirir fortuna para o nosso Portugal, vai sempre entrar gente pronta a roubar aquilo que outros conquistaram.. e pondera-me que o nosso pais até Gás natural têm, e as forças milionárias europeias sabem disso, dai a tentativa de arruinarem-nos o pais já com a motivação de o comprarem.. é uma vergonha o que tem sido feito..abraço, e diz-me algo.. Hugo Teixeira

  4. o texto está muito bom , e assim como conseguiste ver por ti o mito que é “no tempo de salazar não havia escolas “, vais se calhar ver que o outro “no tempo dele não se podia falar” vai normalmente dar a pessoas com as ideias toldadas de vermelho , não podemos esquecer que o PC era ilegal e perseguido não só aqui mas em muitos países , temos de entender os tempos dos acontecimentos para melhor entender as acções , como sempre digo quem não deve não teme , serve para agora como serviu para a maioria da população , já agora acrescento que Salazar tanto persegui-o comunistas como fascistas , para ele eram a mesma coisa e para mim também , se lerem a sua obra nomeadamente “como se levanta um estado ” vão ler isso mesmo , já agora esta obra devia ser o livro de cabeceira dos próximos governantes , para terminar ganhas-te mais um amigo .

  5. Se não morrer ninguém vai ser difícil mudar alguma coisa…

    Desde do 25 de Abril que anda-mos a eleger os ladroes que até a alma nos levam se deixarmos, tapam-nos os olhos com as mesmas mentiras , arranjam mil e um álibis para a incompetência . Ser politico é o trabalho que mais responsabilidade devia ser exigida, mas nunca vi nenhum desses “delinquentes” a assumir responsabilidades. A politica move-se em torno de interesses singulares , rebentaram todo o comercio que puderam para encherem os bolsos dos senhores das multinacionais e os deles .Os cortes são sempre para os mesmos ,obriga-se a trabalhar quem trabalhou toda a vida.
    Aplicam-se politicas sociais , num povo que não qualquer sentido do que é o socialismo e mais nunca foi instruído o suficiente para viver em socialismo, Não somos correctos nem respeitadores e nunca seremos , a mentalidade nórdica é impensável no comportamento do português.
    A ditadura foi ma em alguns aspectos , mas verdadeiramente o único erro cometido foi a guerra colonial .
    Foi a única época em Portugal onde se equilibram contas , onde havia respeito , onde havia segurança , e onde não se vivia tanto do suor dos outros como agora.
    Foi a ditadura um período negro na historia?

    Na verdade só vamos crescer e funcionar quando não podermos participar directamente nas escolhas politicas , quando a opinião e voto não forem menosprezados, votar deveria ser uma responsabilidade tao grande ou maior como trazer um filho ao mundo , porque é nesse voto que as gerações futuras viverão . O legado que nos deixaram é mau , o que nos vamos deixar é um problema sem fim.

    Precisamos mais do que nunca de um homem como Salazar para que haver uma mudança verdadeiramente estrutural …

  6. seus malandros, tomara a vós metade da esperteza dos homens que nos governam, e muito bem.
    Ao invés de culparem os comunistas que para aí andam culpam o governo, perdeu-se o respeito.

  7. Que diz volta Salazar estas perdoa não viveu decerto naquela época! Como é possivel ser hipocrita o ao ponto de vir aqui “dizer” que se esta agora pior que no tempo Salazar quando tem dinheiro para internet e computadores para virem aqui escrever?? Esta tudo habituado a ter casa, carros, computadores, comida, roupas e tudo. Na altura de Salazar havia isto?? Na altura do Salazar o que era uma enorme conquista quer em termos materiais quer em termos de liberdade de expressao, é agora dado como um direito. Aqui apenas vejo meninos mimados e mal habituados…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s