Cinco portugueses distinguidos nos EUA para serem “futuros líderes científicos”

Cinco cientistas portugueses e uma investigadora norte-americana que trabalha em Portugal foram premiados pelo Instituto Médico Howard Hughes, dos Estados Unidos, com montantes no valor de 518.000 euros para a sua investigação, numa lista internacional de 28 premiados reconhecidos por serem “futuros líderes científicos nos seus países”. Os prémios vão ser utilizados na investigação em parasitologia, neurociências, comunicação entre bactérias, metabolismo celular e envelhecimento.

Este concurso lançado pela instituição, que é uma forte promotora da ciência nos EUA, dá bolsas na área das ciências médicas para cientistas internacionais que estão no começo da carreira como chefes de laboratórios, ou seja, são chefes de um grupo de investigação há menos de sete anos. O dinheiro vai ser distribuído ao longo dos próximos cinco anos. 

De entre 760 candidatos, provenientes dos 18 países elegíveis para este concurso, a nível nacional foram premiados Rui Costa e Megan Carey, norte-americana, da Fundação Champalimaud, Karina Xavier e Miguel Godinho Ferreira, do Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC) e Luísa Figueiredo, do Instituto de Medicina Molecular (IMM). 

Pedro Carvalho foi o único português a ganhar o prémio fora do território nacional. O cientista trabalha no Centro de Regulação Genómica, em Barcelona, na Espanha.

Portugal ficou em segundo lugar, ao lado de Espanha, no número de vencedores. Em primeiro lugar ficou a China, que teve sete premiados. Entre as outras nações elegíveis estavam a Índia, o Brasil, a Itália, a Rússia, a Turquia e a Coreia do Sul.

“Para uma comunidade científica da dimensão da que existe em Portugal, uma proporção de cinco em 28 premiados é um claro sinal da qualidade dos cientistas que aqui trabalham e, sobretudo, da capacidade que centros de investigação em Portugal têm para competir a nível internacional”, disseram os cientistas que trabalham em Portugal, num comunicado conjunto.

Luísa Figueiredo investiga os mecanismos com que os parasitas evitam o sistema imunitário do hospedeiro. Rui Costa e Megan Carey estudam os circuitos cerebrais que controlam o comportamento. Karina Xavier investiga a comunicação entre bactérias no contexto da flora intestinal, e está a tentar manipulá-las para tirar partido das suas propriedades protectoras contra doenças. Miguel Godinho Ferreira trabalha com o peixe-zebra para compreender os processos envolvidos no envelhecimento. Pedro Carvalho estuda como é que as proteínas nocivas que são produzidas pelas células, são posteriormente eliminadas.

Fonte: Público

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s